Páginas

domingo, 19 de agosto de 2012


Musica ...

        Todo mundo ouve e gosta de algum tipo de musica, vivemos desda época da barriga, até os últimos suspiros de vida, ela nos faz acalmar, refletir, chorar, lembrar da pessoa amada, de um amigo, de um acontecimento ou até mesmo nos faz rir sem saber por que, a vários tipos de musica nesse mundo a fora, então para não esquecer de nenhuma, de nenhum estilo, irei falar sobre a musica no geral.
Na infância, aprendemos as cantigas das escolas, tal como :
Atirei o pau no gato ...
Borboletinha ta na cozinha ...
Tinha uma casa muito engraçada ...
a dona aranha subiu pela parede ..
entre muitas outras tem as infantis que se aprende em programas de TV.
Hoje nem tanto ... mais antigamente tínhamos as marchinhas de carnaval ...
a pipa do vovô não sobe mais ...
la vou eu la vou eu ...
entre outras que não estão na minha cabeça neste momento;
Ai vai crescendo e começa a ouvir aquelas canções adolescente de adultos que com certeza não lembram mais como é ser adolescente;
Fora os adolescentes que já se acham adultos e bem, nem todas as musicas do mundo são boas.
não vou sitar tipos para não ofender quem gosta, mais eu não suporto nenhuma musica 
que venha a ofender outras pessoas, ou compara-las com pobres animais que não tem nada haver com isso,
nem mesmo aquelas que o fulano ou a fulana canta dizendo saber o que e o que faz e nem se quer pegou um na mão ou pois na boca, coisa e tal ... drogas também não entrará nos meu post's.
Aquelas dançantes dos anos 50, 60 ,70 e até mesmo 80, boas de arranjar uma paquera no salão, boa época, aquelas pra chorar um pouco e se lembrar dos chifres, aquelas para levar só no sapatinho, ou até mesmo aquela que em um ar completamente inocente relata o que a vida do inicio ao fim;
Quem nunca prestou atenção na musica  >>>Aquarela<<< de Toquinho e Vinicius eu conselho a prestar por que para minha pessoa essa é a musica da vida.
Aquarela Toquinho
Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo.
Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva,
E se faço chover, com dois riscos tenho um guarda-chuva.

Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel,
Num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu.
Vai voando, contornando a imensa curva Norte e Sul,
Vou com ela, viajando, Havai, Pequim ou Istambul.
Pinto um barco a vela branco, navegando, é tanto céu e mar num beijo azul.

Entre as nuvens vem surgindo um lindo avião rosa e grená.
Tudo em volta colorindo, com suas luzes a piscar.
Basta imaginar e ele está partindo, sereno, indo,
E se a gente quiser ele vai pousar.

Numa folha qualquer eu desenho um navio de partida
Com alguns bons amigos bebendo de bem com a vida.
De uma América a outra consigo passar num segundo,
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo.

Um menino caminha e caminhando chega no muro
E ali logo em frente, a esperar pela gente, o futuro está.
E o futuro é uma astronave que tentamos pilotar,
Não tem tempo nem piedade, nem tem hora de chegar.
Sem pedir licença muda nossa vida, depois convida a rir ou chorar.

Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá.
O fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar.
Vamos todos numa linda passarela
De uma aquarela que um dia, enfim, descolorirá.

Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo (que descolorirá).
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo (que descolorirá).
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo (que descolorirá).

    

Por que para minha pessoa essa é a musica da vida, bem ela retrata tudo desde do nascer até o fim quando tudo descolorira, não poderia deixar de falar de musica sem dizer estamos bem nesta parte com grandes artistas, mais tem aqueles que nunca e jamais esqueceremos, mesmo por que eles cantavam pra mode da gente ser feliz, se foram mais sempre estarão em nossos corações ...


Uma Arlinda Mulher (ao Vivo) Mamonas Assassinas
Muito bem meus amigos, vamos agora unir nossas forças...
e num momento de união, que faz açúcar, vamos lembrar da mulher amada!
aquela mulher que quer que você corte o cabelo... aquela mulher, que
mudou a sua vida e fez você tomar banho e escovar os dentes...que briga 
com você quando você põe o dedo no nariz e cola de baixo do sofá... 
Essa desgraçada...que com certeza é palmeirense, hehehe...
que briga com você, quando quer assistir um jogo de futebol.
ela quer assistir novela reprisada. 
olhe para
os olhos dessa mocréia, e diga essas palavras de amor!

Te encontrei toda remelenta, estronchada num bar entregue às bebida
Te cortei os cabelos do sovaco e as unhas do pé e te chamei de querida
Te ensinei todos os autos-reverse da vida e o movimento da translação que faz a terra girar
Te falei que era importante competir, mas te mato de pancada se você não ganhar

Você foi agora a coisa mais importante que já me aconteceu neste momento e em toda minha vida
Um paradoxo do pretérito imperfeito, complexo com a teoria da relatividade 
Num momento crucial um sábio soube saber que o sabiá sabia assobiar
E quem amafagafar os mafagafinhos, bom amafagafigador será

Te falei que o pediatra é o doutor responsável pela saúde dos pé
O zoísta cuida dos zóio e os oculista, Deus me livre, nunca vão mexer no meu (tira o dedo daí o rapaz!!)
Pois pra mim você é uma besta mitológica com o cabelo pixaim parecida com a Medusa
Eu disse isso pra rimar com a soma dos quadrados dos catetos é igual à porra da hipotenusa

Você foi agora a coisa mais importante 
que aconteceu neste momento até hoje em toda minha vida 
Um paradoxo do pretérito imperfeito, complexo com a teoria da relatividade 
Num momento crucial um sábio soube saber que o sabiá sabia assobiar (miau, hehe!)
E quem amafagafar os mafagafinhos, bom amafagafigador será (muito bem!)

Eu fundei a associação internacional de proteção às borboletas do Afeganistão ( e daí? ) 
Te provei por B mais C que as meninas dos teus olhos não tem menstruação (e daí )
Dar um prato de trigo pra dois tigres 
e ver os bichos brigando é legal que só (miau)
Pois no tira e põe, deixa ficar da vida serei sempre seu escravo de jó

Logo agora que você estava quase entendendo o que eu estou falando
A canção está acabando e o CREUZEBEK está abaixando ali o volume
E você não entende nada mesmo porque eu não sei 
porque estou falando este monte de besteiras!

Eu tava conversando esses dia, com o pessoal lá da 89fm, tem os amigo né?
tem o Tião, Mi, o Xexéu, aquele monte de gente feia pra porra!

E eu não estou aguentando mais, tá doendo minha garganta, eu tenho que 
fazer gargarejo com vinagre e sal, soltei um peido aqui em cima,
quem cheirou tudo foi esse viado e desgraçado aqui!

Eu não aguento mais e estou dormente, pelamordedeus, pare com essa
PORRA!



Entre outros  que eu nem vi ou até vi e fizeram muito sucesso sendo maluco beleza ou até mesmo contando a história de um tal de João de Santo Cristo, ou Eduardo & Mônica , sendo apenas uma Roupa Nova em nossas vidas então pra encerrar post fi quem com ...




Eduardo E Mônica Legião Urbana
Quem um dia irá dizer que existe razão
Nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer
Que não existe razão?

Eduardo abriu os olhos mas não quis se levantar
Ficou deitado e viu que horas eram
Enquanto Mônica tomava um conhaque
Noutro canto da cidade
Como eles disseram

Eduardo e Mônica um dia se encontraram sem querer
E conversaram muito mesmo pra tentar se conhecer
Foi um carinha do cursinho do Eduardo que disse
- Tem uma festa legal e a gente quer se divertir
Festa estranha, com gente esquisita
- Eu não estou legal, não aguento mais birita
E a Mônica riu e quis saber um pouco mais
Sobre o boyzinho que tentava impressionar
E o Eduardo, meio tonto, só pensava em ir pra casa
- É quase duas, eu vou me ferrar

Eduardo e Mônica trocaram telefone
Depois telefonaram e decidiram se encontrar
O Eduardo sugeriu uma lanchonete
Mas a Mônica queria ver o filme do Godard
Se encontraram então no parque da cidade
A Mônica de moto e o Eduardo de camelo
O Eduardo achou estranho e melhor não comentar
Mas a menina tinha tinta no cabelo

Eduardo e Mônica eram nada parecidos
Ela era de Leão e ele tinha dezesseis
Ela fazia Medicina e falava alemão
E ele ainda nas aulinhas de inglês
Ela gostava do Bandeira e do Bauhaus
De Van Gogh e dos Mutantes
Do Caetano e de Rimbaud
E o Eduardo gostava de novela
E jogava futebol-de-botão com seu avô
Ela falava coisas sobre o Planalto Central
Também magia e meditação
E o Eduardo ainda estava
No esquema "escola, cinema, clube, televisão"

E, mesmo com tudo diferente
Veio mesmo, de repente
Uma vontade de se ver
E os dois se encontravam todo dia
E a vontade crescia
Como tinha de ser

Eduardo e Mônica fizeram natação, fotografia
Teatro e artesanato e foram viajar
A Mônica explicava pro Eduardo
Coisas sobre o céu, a terra, a água e o ar
Ele aprendeu a beber, deixou o cabelo crescer
E decidiu trabalhar
E ela se formou no mesmo mês
Em que ele passou no vestibular
E os dois comemoraram juntos
E também brigaram juntos, muitas vezes depois
E todo mundo diz que ele completa ela e vice-versa
Que nem feijão com arroz

Construíram uma casa uns dois anos atrás
Mais ou menos quando os gêmeos vieram
Batalharam grana e seguraram legal
A barra mais pesada que tiveram

Eduardo e Mônica voltaram pra Brasília
E a nossa amizade dá saudade no verão
Só que nessas férias não vão viajar
Porque o filhinho do Eduardo
Tá de recuperação

E quem um dia irá dizer que existe razão
Nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer
Que não existe razão? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário